Psicólogo / Psicanalista Clínico ABMP Nº 04909-09
SOBRE O PSICANALISTA
apresentação
ATENDIMENTO
faça o seu agendamento
CONTATO
fale conosco
Admirar
As mulheres tem pelos homens uma admiração coletiva... Elas admiram a espécie masculina como um todo...

A relação amorosa, quem costuma admirar são as mulheres...

E isso, ao contrário do que se pensa é muito perigoso... Não só por causa da unilateralidade, mas pelo excesso...

As mulheres tem pelos homens uma admiração coletiva... Elas admiram a espécie masculina como um todo... Até ontem, poderíamos quase dizer, até hoje de manhã, acham que os homens são superiores, mais inteligentes, mais capazes...

E como os homens detinham todo o poder, as mulheres ainda mais os admiravam por serem poderosos...

A esta admiração coletiva, junta-se, na hora da escolha de um parceiro, a admiração individual... Uma mulher dificilmente escolherá um homem que não admire, a admiração sendo qualidade até mais indispensável do que a atração física...

E com muito "equilíbrio e sensatez ", entrega-lhe o comando da sua própria vida, era no minimo uma demonstração de sábia prudência escolher alguém melhor ainda do que a si própria...

Grande parte disso persistindo até hoje, o pobre eleito vê-se transformado em carregador da admiração individual, acrescida do contrapeso da admiração coletiva...

E mais, espera-se que comporte-se a altura da carga... Caso isso não aconteça, será aliviado somente da primeira vez...

Mas duplamente execrado, porque não correspondeu aquela admiração quase cega que ela lhe devotou, traindo portanto o pacto... 

Aceitando a admiração, havia assinado, e portanto mantendo a admiração coletiva ainda em pé, ela o vê como o pior representante da classe viril, e passa a despreza-lo não só pela falta de qualidade pessoal, mas pela sua baixa colocação no campo do admirabilíssimo dos homens...

Em geral, são necessários vários desapontamentos no plano individual para que uma mulher perceba que os homens, embora ótimos e capazes, não são exatamente "admiráveis", pelo menos não no sentido divinatório... 

Já os homens não padecem deste mesmo mal... Eles não admiram as mulheres como um todo, e raramente as admiram como indivíduos... Podem com frequência admirar o jeito, à graça, o físico, mas esta é uma admiração que corresponde ao desejo...

O próprio fato de admirar uma mulher como individuo, quer dizer, considera-la de valor igual ou superior ao seu, complica muito as coisas na hora da escolha amorosa...

Pois se o homem ainda estiver imbuído do seu "papel clássico de protetor", verá-se incapacitado de exerce-lo junto a uma mulher superior, ou ameaçado junto a uma igual que a qualquer hora pode melhorar um pouco e superá-lo...

Não podendo desempenhar seu "papel clássico", e não tendo ainda descoberto outro para desempenhar, ele simplesmente se sente impossibilitado de ser homem... 

Os homens tem porém uma admiração pela própria mãe... E essa é igualmente perigosa para o amor...

Pois ao amar uma mulher, o homem tenta transpor para ela a admiração que sente pela mãe...

E aquela ainda mais intensa que sentia quando criança, e que se confundia com o próprio sentimento do amor...

Sem querer, que essa transferência se realize por completo...

Ou seja, ele quer admirar a mulher como admirava a mãe, para poder amá-la como amava a ela. Mas no seu intimo sabe que não pode dar à mulher tamanha admiração, pois esta o levaria a novamente torna-se filho...

É por isso que está em jogo nas comparações que os homens costumam tecer entre a amada e sua mãe...

Mas voltando à frase que gerou essas considerações, acho que admiração é ótima para o amor...

Mas à admiração apriorística da escolha, prefiro aquela que vai se fazendo depois aos poucos, baseada não apenas nas qualidades, e sim na soma de qualidades e defeitos...

 

Ronaldo de Mattos - Psicanalista Clinico

em 16/08/2012

Voltar

Principal / Pense comigo / Contato / Agenda online
www.ronaldodemattos.com - Todos os direitos reservados 2009 - 2013