Psicólogo / Psicanalista Clínico ABMP Nº 04909-09
SOBRE O PSICANALISTA
apresentação
ATENDIMENTO
faça o seu agendamento
CONTATO
fale conosco
Abandono
Se você que eu amo tanto, diz que não me ama mais, é sinal de que todas as minhas virtudes não existem aos seus olhos...

Se o outro sou eu... Estes são mecanismos através dos quais nos separamos de alguém. Mas são também aqueles através dos quais alguém se separa de nós...

E embora seja ruim para ambos, costuma sofrer mais aquele que é deixado...  

Não porque a separação não doa no que vai, mas porque este, para aliviar sua dor, tem o estimulo do impulso que levou a agir, e o sentido de renovação à sua frente está uma vida nova, que ele escolheu...

Já aquele que fica, sobretudo se foi avisado no último momento, pouco partilhou dessa escolha, apesar de ter cooperado nos motivos...

É embarcado numa separação, à revelia dos seus sentimentos...

E não tendo se preparado para a ruptura, também não tem projetos para o futuro que não incluam o, agora já antigo, companheiro...

De um momento para o outro, é um Gordo sem o Magro, e nenhum script possível parece ter a minima graça...

Disse certa ocasião uma paciente que foi casada com um jornalista muitos anos: "Foram precisos anos para que me recuperasse... Anos em que eu era um monte de ruínas ambulante".

Para se recuperar da separação que foi de repente onde levou um golpe da própria vida, demorou para se casar com outro...

"Estava de luto ... Queimada por dentro como uma floresta depois do incêndio... Foi preciso algum tempo para conseguir encontrar outra maneira de viver... Eu não acreditava mais em mim mesma..."

Se você que eu amo tanto, diz que não me ama mais, é sinal de que todas as minhas virtudes não existem aos seus olhos...

Mas eu havia feito dos seus olhos os meus, eu via o mundo através deles...

E se você já não vê o meu valor, como posso eu vê-lo com aqueles pobríssimos olhos que me ficaram? 

Porque eu te amava, você era o meu espelho...

Mas a imagem que me devolve agora não é a mesma de ontem, nem a mesma que, de mim, guardo há lembrança...

Teu desamor me desnorteia... Não sei mais ao certo quem sou, meus contornos se confundem...

E mesmo conviver com o fato de que meu amor por você nada te significa, se no meu coração ainda é aquilo que me dá sentido...

Como uma floresta depois do incêndio, é preciso procurar outra maneira de viver...

As vezes demora... Mas há sempre um dia em que, depois de mais uma chuva, começará a brotação...

 

Ronaldo de Mattos - Psicanalista Clinico

em 14/09/2012

Voltar

Principal / Pense comigo / Contato / Agenda online
www.ronaldodemattos.com - Todos os direitos reservados 2009 - 2013