Psicólogo / Psicanalista Clínico ABMP Nº 04909-09
SOBRE O PSICANALISTA
apresentação
ATENDIMENTO
faça o seu agendamento
CONTATO
fale conosco
Os encontros e desencontros entre Lacan e Freud
E qual é a diferença entre um psicanalista que se diz lacaniano de um que se diz freudiano?

“Freud não foi somente o sujeito do suposto saber. Ele sabia, e nos deu esse saber em termos que se podem dizer 
indestrutíveis, uma vez, depois que foram emitidos, suporta uma interrogação que, até o presente, jamais foi esgotada”.?

Freud baseou seus estudos na idéia de que o corpo é a fonte básica de toda experiência psíquica, acreditava que os fenômenos mentais estavam intensamente relacionados à fisiologia do cérebro.
Dizia que há uma causa para tudo, cada sentimento e ação. Tudo é causado por uma intenção consciente ou inconsciente e determinado por fatos antecedentes.
Para ele, a mente se divide em consciente, e inconsciente. O inconsciente armazena os instintos e desejos aos qual a consciência não tem acesso e também o que foi censurado, que por alguma razão o sujeito não aceita e então reprime no seu inconsciente. É elementos vivos, que ao ser trazido a consciência provoca grande força emocional.
É no inconsciente que se encontram os principais determinantes da personalidade, as pulsões e os instintos.
O pré-consciente faz parte do inconsciente, porém é a parte que se permite ser lembrada com facilidade, e a memória necessária para que o indivíduo realize suas funções pois, é nela que se armazenam nomes, números, datas, experiências passadas, conhecimentos.
LACAN
A obra de Lacan tem base bastante filosófica, usando a lingüística de Saussure, a antropologia de Lévi-Strauss e a dialética de Hegel.
Ele utiliza a lingüística como elemento fundamental na psicanálise, a linguagem determina o sentido e o desejo do individuo.
Para Lacan o inconsciente se estrutura como a linguagem, que é assimilada arbitrariamente como metáfora (condenação) e metonímia (deslocamento).
O significante (que é a marca gráfica, a palavra em si) e o significado (que é a idéia associada à palavra, seu significado) estruturam o inconsciente.
Ou seja, a metáfora leva o individuo a associar a imagem de um lobo ao homem. A metáfora é a semelhança e a metonímia a continuidade.
Para Lacan, a linguagem é intermediaria entre o sujeito e o objeto.
Já nos primeiros meses de vida, o individuo vê como um ser fragmentado que associa com o meio sendo parte de um todo, Porém, aproximadamente aos seis meses o bebê entra na fase do espelho, onde passa a ver sob o olhar do outro e a estruturar a partir dele.
Numa fase a criança passa a ter sua idéia de unidade e assim alivia sua angústia de ser fragmentada.
Porém, para Lacan o sujeito se vê como algo imaginário, algo que pode vir a ser dependendo do desejo da mãe.
Essa fase do espelho é para Lacan a que determina a estruturação do individuo, pois ela mostra que o ser deseja ser objeto de desejo do outro, sendo assim, o bebê tenta suprir as necessidades e expectativas da mãe.
A criança é o falo da mãe e para tanto deve preencher seu desejo.
E qual é a diferença entre um psicanalista que se diz lacaniano de um que se diz freudiano?
- A grande diferença, eu diria, é que os lacanianos reivindicam uma conceitualidade, uma releitura de Freud por Lacan. Eles levam em conta a teoria do significante, a teoria do inconsciente da linguagem etc. Hoje, não existem muitos freudianos clássicos à moda vienense. Os freudianos são hoje muito mais centrados sobre as relações de objeto, sobre Winnicott, sobre os problemas de relação com a mãe. Eu diria que a separação se faz hoje na prática analítica e, sobretudo os conceitos que se pretendem extraídos da teoria de Lacan.
- Qual a diferença na prática analítica entre freudianos tout court e freudianos lacanianos?
- Os lacanianos trabalham com uma duração variável dos tratamentos, com a duração variável das sessões de análise, têm uma concepção de intervenção mais forte sobre a linguagem, enquanto os freudianos clássicos têm mais sobre o comportamento e os kleinianos mais sobre a questão da transferência.
 
TRECHO DO DICIONÁRIO DE PSICANALISE DE ELISABETH ROUDINESCO

Dentre os grandes intérpretes da historia do freudismo, Jacques Lacan foi o único a dar à obra freudiana uma estrutura filosófica e a tirá-la de seu ancoramento biológico, sem com isso cair no espiritualismo. O paradoxo dessa interpretação inovadora única é que ela reintroduziu na psicanálise o pensamento filosófico alemão do qual Sigmund Freud se tinha voluntariamente afastado. Essa poderosa contribuição fez de Lacan o único verdadeiro mestre da psicanálise na França.

Ronaldo de Mattos – Psicanalista Clínico

em 20/11/2009

Voltar

Principal / Pense comigo / Contato / Agenda online
www.ronaldodemattos.com - Todos os direitos reservados 2009 - 2013