Psicólogo / Psicanalista Clínico ABMP Nº 04909-09
SOBRE O PSICANALISTA
apresentação
ATENDIMENTO
faça o seu agendamento
CONTATO
fale conosco
Decidi não amar
Atenta para não perder nada do que se passa, mas cuidando de não participar, você olha. Não critica. Não bate palmas. Mas também não vibra com a peça, não se deixa invadir pelas grandes emoções...

Tenho 26 anos, e enquanto muitas mulheres se ressentem porque se entregaram à vida, o meu problema é exatamente o oposto. Nunca vivi esses conflitos e frustrações.

Nunca tive um amor de verdade, nem de mentira. Sinto-me como uma “espiâ”, não sou platéia nem atriz nesse teatro da vida. E descubro que estar na intermediária, ou melhor, em lugar nenhum, é tão frustrante quanto estar nos extremos, sendo liberada ou recatada.

Eu aceito as novas idéias, respeito o ponto de vista de cada um, não condeno ninguém por suas opções sexuais. Mas escolhi conservar a minha virgindade, evitar o amor, em vez de me magoar pulando de uma paixão para outra. E por isso “sempre acabo sendo chamada de ‘quadrada e careta”.

Ressinto-me porque não aceitam que eu tenha optado por ser eu mesma, que eu me preserve porque acho que assim é melhor para mim, porque me dói menos. Mas, mesmo assim, sempre bate uma duvidazinha: é a melhor opção?

 

Resposta

 

Você diz que não é atriz nem platéia nesse teatro da vida. E parece consciente de que, afinal, não há outros papéis possíveis. A não ser, justamente, o de “espiã”, aquela que não estando de todo fora, mas também não estando dentro, espia entre as brechas das portas e as fechaduras de portas.

Atenta para não perder nada do que se passa, mas cuidando de não participar, você olha. Não critica. Não bate palmas. Mas também não vibra com a peça, não se deixa invadir pelas grandes emoções.

E é justamente com isso que o amor tem a ver com grandes emoções. Não com a castidade, ou com a liberação. É possível ser recatada, virgem, e ter amores ardentes. De verdade. Amores às vezes tão ou mais ardentes do que os de uma mulher liberada.

A história e o cotidiano estão aí para nos fornecer exemplos incontáveis. Se assim não fosse, o amor teria sido coisa bem rara até às recentes gerações.

Mas recato não é sinônimo de ausência. Pois a recatada participa, e pode ser atriz principal, embora obedecendo a um determinado padrão de comportamento.

É por isso que você não concorda quando a chamam de “quadrada”. Sabe que no fundo não é nem quadrada, se encaixa nos escaninhos comportamentais, já que esses escaninhos correspondem aos papéis da peça e de sua assistência, entre os quais você escolheu não estar.

E também não aceita essa definição porque, ao decidir o rumo da sua atuação, o fez movida não por questões morais, que implicariam julgamentos e divisões do tipo “certo”, “errado”, e que forçosamente a colocariam em oposição a outro modo de agir, mas sim por achar que assim “dói menos”.

Penso que é impossível que a ausência total de amor dos menos que o sofrimento causado pelos males amorosos. Pois a ausência de uma  coisa não é o mesmo que apenas evitar os seus males, e sim o vazio, o nada absoluto, a não-experiência, enquanto que o sofrimento de amor é uma declaração de presença, de vitalidade, o sinal de que o bem do amor foi ou será possível.

O ponto crucial é que querer passar pela vida sem sofrer é utópico. Todos sonhamos com isso, porque o sofrimento, obviamente, dói, e o próprio instinto de conservação nos leva a fugir da dor, na tentativa de evitar a morte.

Mas todos sabemos, desde a primeira golfada de ar que incendeia de dor nossos pulmões recém nascidos, que dor e vida são indissolúveis.

Você pode, adotando uma postura que os outros equivocadamente consideram “quadrada”, manter-se afastada dos homens. Pode até evitar a dor que o amor por um homem eventualmente lhe traria.

Mas como pode evitar o amor pelos seus amigos, por um ou outro parente mais chegado, ou mesmo aquele amor fraterno pelo semelhante desconhecido que de repente nos acomete? E amando-os, como pode deixar de sofrer por eles, e com eles?

No amor, em qualquer amor, nunca sabemos onde se situam os limites que o separam do sofrimento. Nem podemos saber, em pleno sofrimento, quando chegará o momento em que um fato, ou um gesto, ou um impulso renovador nos devolverá à alegria.

Para poder fugir do sofrimento, portanto, seria necessário renunciar à felicidade. Mas, como perguntava eu antes, existe dor maior do que jamais ter ido feliz?

O feto bóia em seu líquido placentário, protegido do mundo. Essa é a imagem de beatitude que tentamos às vezes recriar através do alheamento. Esquecemos que o feto não está se furtando à vida.

Muito pelo contrário. Efetua o mais prodígio dos crescimentos, avançando rumo ao risco e à esperança do nascimento.

Você me pergunta se a sua é a melhor opção. Depende do que espera da vida. Se quiser passá-la sem vivê-la, pode até ser. Mas se desejar incendiar-se e sempre renascer, convém fazer outra escolha.

Ronaldo de Mattos - Psicanalista Clínico

em 27/11/2013

Voltar

Principal / Pense comigo / Contato / Agenda online
www.ronaldodemattos.com - Todos os direitos reservados 2009 - 2013