Psicólogo / Psicanalista Clínico ABMP Nº 04909-09
SOBRE O PSICANALISTA
apresentação
ATENDIMENTO
faça o seu agendamento
CONTATO
fale conosco
O afeto e seu significado...
Ninguém nunca pediu pra nascer. Mas a gente nasce, se cria, sofre mais, muito mais, do que gostaria, não tem coragem de creditar esse sofrimento na conta dos pais, e, querendo ou não, chega a hora de

Ninguém nunca pediu pra nascer. Mas a gente nasce, se cria, sofre mais, muito mais, do que gostaria, não tem coragem de creditar esse sofrimento na conta dos pais, e, querendo ou não, com todo ou com pouco afeto, sente-se na obrigação de zelar por eles quando a hora chega.

- Olha, não é fácil. Aqui em casa somos eu, meu marido e as crianças. O que a gente ganha daria com alguma folga, enfim daria para viver bem, para nós quatro, sobrava até alguma coisa. Mas a pensão que meu pai deixou é mínima e não dá para minha mãe viver dela.

Então, já há três anos, ela veio morar conosco. Foi até bom, ela toma conta das crianças e eu pude voltar ao emprego. Com o que passei a ganhar dava para cobrir os gastos dela, e fomos vivendo mais ou menos na mesma.

Mas este ano meu cunhado faleceu num acidente de carro. Era ele quem cuidava dos meus sogros. Agora os pobrezinhos continuam morando com a cunhada, mas quem dá o dinheiro somos eu e meu marido. E de repente tudo ficou muito difícil, até a compra de um sapato tem que ser planejada, e qualquer aumento no custo de vida são um sobressalto.

A palavra dever não entra no depoimento de Marisa. Ela está implícita. Assim como o marido amparou e recebeu em casa sua mãe, Marisa aceita tacitamente a sobrecarga dos dois sogros.

Tão tacitamente quanto cumpre seu dever, Marisa e o marido sabem que a situação é provisória. Mas é um provisório que pode se alongar, dominando o período mais vital de suas vidas, justamente aquele período em que, responsáveis pela educação dos filhos, o dinheiro lhes é fundamental.

Por outro lado, o afeto impede sequer o desejo de abreviar este período de sobrecarga, pois isto significaria desejar o término da vida dos pais. Os sogros de Marisa sabem perfeitamente que a partir do acidente passaram a representar uma sobrecarga muito pesada para seu filho, cujo orçamento era apenas razoável. Mas não têm, eles próprios, qualquer recurso.

A idade de trabalhar passou há muito, agora estão fracos e necessitados como crianças. E como crianças querem ser atendidos. Se não o forem, se sentirão frustrados no seu afeto, rejeitados pelo filho.

"Lacan sempre se esforçou para sustentar que há uma inadequação radical e insuperável do ser falante, de seu corpo, com o mundo. Não há adequação original do afeto com o meio, nenhuma harmonia do ser no mundo, se este ser fala". Leonardo Gorostiza. Opção Lacaniana, nº 49

Com essa afirmação o autor nos esclarece que o ser falante, ou seja, aquele que entra na linguagem simplesmente pelo fato de existir e por estar no discurso, ele está marcado pela inadequação, pelo desconforto de seu corpo com o mundo, do afeto com o meio e do impossível que marca a comunicação entre os sujeitos. Os ruídos são inerentes à comunicação, pois sabemos que o inconsciente se manifesta em nossa fala através dos lapsos e atos falhos. Assim muitas vezes dizemos o que não queremos e escutamos o que não foi dito.

Lacan afirma que todos são marcados pela linguagem desde o momento do nascimento, e os neuróticos são marcados pelo discurso. Este funda o sujeito barrado, o sujeito do inconsciente. Se os significantes são recalcados o mesmo não ocorre com os afetos. Estes permanecem livres e por isso se deslocam, de modo que nos vemos surpreendidos por algo que sentimos que não conseguimos explicar conscientemente, ou não conseguimos dar sentido. Assim, o afeto deve ser abordado na relação do sujeito com o Outro.

Na experiência psicanalítica o afeto central é a angústia, o afeto que não engana signo do real. E esse afeto vem à tona quando o sujeito se encontra com o objeto a.

"É somente através dela - da angústia e sua certeza - que podemos seguir mantendo aberta a pergunta sobre o 'porquê' ligado à existência, a pergunta que o caminho da modernidade da ciência e da tecnologia quer nos fazer esquecer ao propor uma redução da angústia a um mero 'estado de corpo' desconhecendo sua dimensão existencial' 

 

Ronaldo de Mattos - Psicanalísta Clínico

em 07/02/2014

Voltar

Principal / Pense comigo / Contato / Agenda online
www.ronaldodemattos.com - Todos os direitos reservados 2009 - 2013