Psicólogo / Psicanalista Clínico ABMP Nº 04909-09
SOBRE O PSICANALISTA
apresentação
ATENDIMENTO
faça o seu agendamento
CONTATO
fale conosco
Fantasia
O sujeito, com seu mundo de exigências pulsionais, depara-se com um outro mundo – diferenciado de seu próprio corpo...

"Ao observarmos nossa realidade, vemos uma coisa diferente do que se pinta na retina. Não vemos o que é, mas o que queremos ver, o que devemos ver segundo nossas fantasias e os desejos que animam. No fundo, não vemos as coisas tais como são, mas tais como as desejamos e as fantasiamos. Ora, considerando que sou o que desejo, poderíamos concluir dizendo que vemos não o que é, mas o que somos; e de deduzir o seguinte corolário: quando amo uma criatura ou uma coisa, o que vejo é a projeção de mim mesmo..." ?
Autor: J. D. Násio - Livro Fantasia

O sujeito, com seu mundo de exigências pulsionais, depara-se com um outro mundo – diferenciado de seu próprio
corpo – que não satisfaz aquelas exigências e desse choque nasceria a fantasia como construção do inconsciente?
Decerto que o problema colocado por Freud não cabe inteiro nesta explicação.

Ele afirma que é da pulsão que surge a exigência de construção da fantasia; no entanto, isto não
responde à constatação, na clínica, da repetição de cenas com
o mesmo conteúdo.

Freud destaca freqüentemente a ocorrência de três fantasias: a observação do coito dos pais, a sedução por um adulto e a ameaça de ser castrado – menos
freqüentemente, ele acrescenta a este grupo a fantasia de retorno ao útero materno.

Ronaldo de Mattos - Psicanalista Clínico

Fantasia

O que é essa mera fantasia...
Será a magia...
De sonhar mágicos momentos...
Redimensionar emoções
Que nos aquecem os corações...
Estar em outra dimensão...
Longe da razão...
Fazer serão...
Deixar no sótão...
A tristeza que machuca...
E simplesmente vivenciar o hoje...
Somar devaneios sem receios
Sem medo de enchentes..
E continuar indo em frente?
É atravessar o amar...
Retomar
O leme das paixões...
Rebuscando seu bem querer...
É fascinar com o dia
Que já se anuncia...
Em matizes lilases...
Mesmo quando nuvens
Trazem o breu na paisagem?
É revolver a poeira...
Da estrada
Que nos envolve como capa...
E de que ninguém escapa?
É sorrir...
E brincar de colorir...
Um doce porvir...
Mesmo quando ouvimos um não...
É fechar os olhos...
Somar fragmentos
Filamentos de contentamentos
É estar com você
Festar com você
Mesmo que em pensamento...
Revivendo bons momentos...
Que sejam todas essas porções de felicidade...
Que povoam minha mente
E não mais matem.
O que me mantem a todo instante.
Essa doce ilusão
Que habita meu coração...
Em ritmo de fantasia

Carmen Cecília

em 28/06/2012

Voltar

Principal / Pense comigo / Contato / Agenda online
www.ronaldodemattos.com - Todos os direitos reservados 2009 - 2013